Os hackers mais procurados do mundo e como eles agem

Os hackers mais procurados do mundo e como eles agem

Certamente, você já deve ter ouvido falar de algum ataque de hacker que proporcionaram um prejuízo enorme, seja para as grandes empresas provadas, ou para os orgãos de inteligência do Governo.

Você irá conhecer os hackers, ou melhor, os black hats, que foram responsáveis por arrancar muito dinheiro das empresas, destruíram seu patrimônio financeiro, pararam grandes serviços online e muito mais.

Michael Calce

Michael Calce, de 15 anos, também conhecido como "Mafiaboy", descobriu como obter acesso às redes de computadores das Universidades e as utilizou como uma arma muito poderosa para interromper o mecanismo de busca Yahoo, basicamente, é como se ele tivesse deixado o mecanismo de busca do Google indisponível atualmente.

Em uma semana, ele também derrubou a Dell, eBay, CNN e Amazon usando o mesmo ataque de negação de serviço (DDoS) que sobrecarrega os servidores responsáveis por manter o site online fazendo com que eles fiquem indisponíveis.

Albert Gonzalez

Albert Gonzalez é o criador e o cérebro do Shadowteam.com. Os membros deste site podem vender ou comprar números de contas bancárias, cartões de seguro de saúde, certidões de nascimento, números de seguridade social, passaportes e qualquer outro tipo de informação imaginável.

Este hacker é famoso por jogar seu dinheiro e reservar quartos em hotéis de luxo por dias. Depois de ser pego em Nova Jersey, ele foi acusado de ter 15 carteiras de identidade falsas.

Após ser preso por fraude com cartão de crédito em 2003, ele mudou de lado e se tornou o informante-chave do governo na "Operação: Firewall", um programa massivo projetado para derrubar hackers.

Graças à ajuda de Gonzalez, 28 hackers, espalhados por oito estados e seis países estrangeiros, foram acusados ​​de vender cerca de 1,7 milhão de números de cartão de crédito. Por sua ajuda, González ficou imune a todas as acusações e ainda recebeu uma oferta de emprego no Serviço Secreto.

Astra

Dizem que um homem sob o pseudônimo de “Astra” era um matemático de 58 anos. Ele invadiu os sistemas do grupo Dassault, da França, roubou dados de tecnologia de armas vulneráveis ​​e os vendeu para países diferentes durante cinco anos.

Astra vendeu os dados para aproximadamente 250 pessoas de todo o mundo, o que custou à Dassault US $ 360 milhões de danos.

Kevin Mitnick

Usando o pseudônimo "Condor", o primeiro grande ataque de Kevin Mitnick foi um computador do Departamento de Defesa, ao qual ele teve acesso quando tinha apenas 16 anos de idade.

Seu crime mais famoso em sua juventude foi roubar cerca de 1 milhão de dólares em software da empresa de computadores Digital Equipment Corporation (DEC). Kevin, agora é consultor de segurança, foi condenado por hackear Nokia, Motorola e até mesmo o Pentágono.

Ele se declarou culpado de sete acusações de fraude que incluíam fraude eletrônica, fraude de computador e interceptação ilegal de tráfego de dados.

Gary McKinnon

Gary McKinnon era louco para obter informações sobre OVNIs, por isso ele achava que a melhor forma de conseguir esses dados era obtendo acesso direto aos canais da NASA. Esse gênio invadiu cerca de 97 computadores que pertenciam às Forças Armadas dos EUA e à NASA.

De acordo com sua história, ele estava procurando por qualquer informação ou pelo menos imagens que pudessem confirmar a existência de OVNIs. No entanto, as autoridades americanas têm uma história bem diferente, disseram que ele excluiu arquivos valiosos e inutilizou centenas de computadores. O dano total é de mais de 700 mil dólares.

Julian Assange

Julian Assange também é conhecido como "Mendax". Talvez você o conheça por ser o criador do WikiLeaks, uma plataforma que nos permite enviar notícias vazadas anonimamente.

Ele começou a hackear aos 16 anos e, em sua lista de vítimas, inclui organizações como a NASA, o Pentágono, o Citibank e a Universidade de Stanford. Desde 2010, ele foi acusado sob o Ato de Espionagem de 1917. Por enquanto, Julian tem que passar seus dias na Embaixada do Equador em Londres.