Endometriose: sintomas, causas, tratamento e prevenção

Endometriose: sintomas, causas, tratamento e prevenção

Endometriose é uma condição na qual o endométrio, a mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo. Alguns dos principais sintomas da doença são dores no período menstrual, infertilidade e dores nas relações sexuais com a penetração.

Todos os meses, o endométrio fica mais espesso, para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, no final do ciclo ele se descama com sangue, causando a menstruação.

As causas da endometriose ainda são desconhecidas, porém, certamente há um risco maior de obtê-la caso a mãe ou irmã sofram com a doença.

É importante destacar que a doença acomete mulheres a partir da primeira menstruação (menarca), e pode se estender até a última (menopausa). Geralmente, o diagnóstico é feito quando a paciente tem em torno de 30 anos.

A doença afeta hoje cerca de 6 milhões de brasileiras. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE), cerca de 10% a 15% de mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la, e há 30% de chance de que fiquem estéreis.

A endometriose é capaz de afetar até mesmo órgãos mais distantes como o pulmão e o cérebro. Porém, é importante destacar que, a doença não se espalha como um câncer, ou seja, a ocorrência em outras regiões não é sinal de agravamento, pois uma mulher, inclusive, pode ter endometriose apenas no intestino, por exemplo.

A explicação para esse fenômeno é bem simples, embora a grande maioria dos episódios seja causado pela regurgitação do sangue menstrual nas proximidades do útero, em algumas situações os focos são transportados diretamente pelo sangue.

Sintomas da endometriose

Os sintomas variam de acordo com a área afetada.

  • Pulmão: tosse com sangue
  • Bexiga: dor ao urinar
  • Intestino: dor ao evacuar e diarreia
  • Ciático: dores na lombar e no músculo posterior das coxas
  • Diafragma: dores no ombro direito e pescoço.

Os primeiros sintomas da doença são as fortes dores pélvicas, geralmente associadas aos ciclos menstruais. Os demais sintomas mais frequentes são:

  • Dismenorreia (dores no período menstrual)
  • Dor no baixo abdômen ou cólicas que podem ocorrer por uma semana ou duas antes da menstruação de forma cíclica
  • Dores nas relações sexuais com penetração
  • Dores ao urinar e evacuar, especialmente no período menstrual
  • Infertilidade
  • Fadiga
  • Diarreia

Ela pode ser classificada em três etapas, leve, moderada e grave. O que às difere é a pontuação feita nos diagnósticos intraoperatórios. Tal visto, só pode ser feito através de uma videolaparoscopia.

Causas

  • Menstruação Retrógrada
  • Crescimento de Células Embrionárias
  • Sistema Imunológico Frágil

Todo mês, os ovários produzem hormônios que estimulam as células da mucosa do útero, o endométrio, e elas se multiplicam preparando-se para receber um óvulo fertilizado. A mucosa aumenta de tamanho e fica mais espessa. Se as células chamadas de células endometriais crescerem fora do útero, surge a então conhecida, endometriose.

Tratamento para endometriose

  • Medicamentos para controlar a dor e minimizar a progressão da doença
  • Cirurgia para retirar as áreas afetadas pela endometriose
  • Cirurgia radical (histerectomia com retirada dos dois ovários)

Prevenção contra endometriose

Não há formas eficazes de prevenir a endometriose, mas é recomendado manter sempre hábitos saudáveis, como uma dieta equilibrada, sono regular, praticar atividades físicas e evitar situações estressantes. Ter filhos mais cedo e amamentar pelo maior tempo possível também são fatores protetores.